Educação: Rede Estadual de SP deve cobrar vacina contra covid para efetivar matrícula

O Governo do Estado de São Paulo deve exigir a carteira completa de vacinação completa (inclusive com vacina a contra a covid-19) para efetivar a matrícula dos alunos da rede estadual. A informação foi passada nesta quarta-feira, 05 de janeiro, pelo secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn em entrevista à Band News FM.

“Já temos feito isso para outras vacina. A carteira vacinal é uma segurança para a criança e para as demais que estão na escola. É fundamental que a carteira vacinal esteja plena. É sim uma medida que utilizamos em alguns setores para fazer o controle de ingresso e de acesso”, disse o secretário. “A vacina não é compulsória, mas fundamental para quem quer frequentar alguns ambientes. Não tomar a vacina é uma questão individual, mas compromete a saúde pública”, ressaltou o secretário.

 

Vacina nas escolas

Em coletiva realizada no Palácio dos Bandeirantes, o governador João Doria confirmou que ao menos 268 escolas de 9 municípios do Estado de São Paulo estão disponíveis para servir de postos para vacinação de alunos de 5 a 11 anos contra a covid.
“O início do cadastramento começou hoje e de forma muito ágil a resposta tem sido oferecida pelos prefeitos dos 645 municípios do estado de São Paulo. O objetivo é cadastrar o maior número possível de escolas estaduais para que pais e mães possam levar seus filhos para a vacinação em um ambiente de extrema confiança, onde possam se sentir bem e seguras”, disse Doria.

Os municípios que já confirmaram a presença de agentes de saúde nas unidades escolares são Caieiras, Cajamar, Campinas, Ibaté, Jundiaí, Louveira, Mairiporã, Nova Odessa e São Carlos. Outras prefeituras que desejarem podem procurar as Diretorias de Ensino para formalizar parcerias.

“Vacinar dentro das escolas é algo que tem trazido eficiência ao longo da história. Em todos os momentos que o Brasil tem feito campanhas próximas das escolas, a eficiência sempre cresceu. São Paulo foi o primeiro estado a vacinar os profissionais da educação e vacinar também as crianças será algo fundamental para manter as escolas abertas”, afirmou o Secretário de Educação, Rossieli Soares.

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, em parceria com os municípios, têm realizado ações de vacinação de estudantes nas escolas, cumprindo assim um papel social nos bairros em que estão inseridas.

Em Campinas, por exemplo, em um mês de parceria com as escolas, a cobertura vacinal de um ciclo completo em adolescentes de 12 a 14 anos aumentou em 143%. Conforme boletim da Secretaria Municipal de Campinas, em 6 de dezembro de 2021 havia 11.334 adolescentes de 12 a 14 com ciclo vacinal completo. Já o boletim de 3 de janeiro de 2022 aponta que esse número aumentou para 27.589 adolescentes, um crescimento de 143%.

São Paulo foi o primeiro estado do Brasil a iniciar a vacinação de profissionais da Educação como prioridade contra covid, em 10 de abril de 2021. Na rede estadual, 97% destes servidores já estão com esquema vacinal completo. Também defendida pelo Governo, a vacinação de adolescentes de 12 a 17 anos alcançou, desde agosto, 102,7% com a primeira dose, sendo que 81,5% estão com o esquema completo.

 

Foto: Divulgação Governo do Estado de S.Paulo

 

Leia também: https://www.eaglenews.com.br/nao-vacinar-criancas-configura-abandono-e-pode-gerar-recusa-de-matricula/

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − 4 =