Mineração: valores da produção, de exportações e de tributos quase dobram no 1º semestre

Virtual 21/7/2021 –

Os dados da indústria mineral brasileira referentes ao 1º semestre e também ao 2º trimestre de 2021 foram apresentados nesta 4ª feira (21/07) pelo IBRAM.

Os valores da produção e o de tributos recolhidos pelo setor mineral cresceram cerca de 98% cada no 1º semestre de 2021 na comparação com o 1º semestre de 2020. O valor das exportações apresentou comportamento semelhante: 91% de elevação. O saldo comercial de minérios, que é a diferença entre exportações e importações, mais do que dobrou: 110,5%. Os dados da indústria mineral brasileira referentes ao 1º semestre de 2021 foram apresentados nesta 4ª feira (21/07) pelo Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM). A íntegra está disponível no site www.ibram.org.br.

Em volume, a produção mineral brasileira, segundo estima o IBRAM, evoluiu 2% na comparação entre os semestres, passando de 525 milhões de toneladas para 535 milhões de toneladas. Em valor, a produção saltou de R$ 75,3 bilhões para R$ 149 bilhões.

No 1º semestre de 2021 o setor recolheu um total de R$ 51,4 bilhões, ou quase 98% a mais do que no mesmo período em 2020 (R$ 26 bilhões). A mineração é um dos setores produtivos que mais recolhe tributos aos cofres públicos, afirma o IBRAM. Incluído nesse total de tributos está o valor recolhido a título de royalty: R$ 4,5 bilhões ou 111% a mais do que no 1º semestre de 2020 (R$ 2,1 bilhões).

Mais de 9 mil empregos diretos gerados até maio

De dezembro de 2020 a maio de 2021 foram criadas 9.226 vagas diretas no setor mineral. Os dados oficiais são do Novo Caged. Ao aplicar o fator multiplicador (x11), o IBRAM calcula que foram criados 101 mil postos de trabalhos, incluindo diretos, indiretos e induzidos ao longo de toda cadeia produtiva. Em maio de 2021 o setor mineral apresentava saldo de 192.006 postos de trabalhos diretos. Com o fator multiplicador, o total chegava a 2,112 milhões de trabalhadores.

O minério de ferro apresentou a maior alta de faturamento, de 135%; logo atrás ficou o cobre, com 52% de aumento; o ouro com 46%. O valor das exportações de minérios no 1º semestre de 2021 chegou próximo ao dobro (91%) na comparação com o 1º semestre de 2020: US$ 27,6 bilhões ante US$ 14,4 bilhões. Foram exportadas 174,5 milhões de toneladas de minérios, quase 14% a mais do que em igual período de 2020 (153,5 milhões de toneladas).

No 1º semestre o país exportou 167 milhões de toneladas de minério de ferro, ou seja, 15% a mais do que no 1º semestre de 2020. Em valor, a exportação totalizou US$ 21,5 bilhões ou 126% a mais do que em igual período de 2020 (US$ 9,5 bilhões). A China é destino de 64,5% das exportações brasileiras, seguida de Malásia com 7%, Bahrein com 4%, Japão, Omã e Holanda com 3% cada.

Os dados apurados pelo IBRAM mostram que o saldo comercial de minérios mais que dobrou: 110,5%, passando de US$ 11,6 bilhões para US$ 24,5 bilhões. Assim, o saldo mineral representou 67% do saldo comercial brasileiro no 1º semestre do ano, que foi de US$ 36, 7 bilhões. As importações de minérios cresceram apenas 12% no 1º semestre e totalizaram US$ 3 bilhões. No 1º semestre de 2020 o saldo mineral representava 52% do saldo comercial brasileiro total.

Perspectivas positivas

As perspectivas para a indústria da mineração nos próximos anos são positivas, avalia o IBRAM. Cada vez mais estados abrem espaço para a expansão da mineração industrial sustentável e, com isso, atraem investimentos milionários de longo prazo, caso de Bahia, Goiás, Mato Grosso, Pará e Minas Gerais, entre outros. Além disso, o próprio setor mineral tem avançado na implantação de novas estratégias relacionadas a boas práticas de ESG (respeito ao meio ambiente, responsabilidade social e governança), o que impacta positivamente na recuperação da confiança da sociedade, após as tragédias com barragens anos atrás.

Website: http://www.ibram.org.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 5 =